PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

Moro pede calma a aliados: Bolsonaro não perde por esperar

Tales Faria

04/03/2019 04h58

A confraria de promotores e policiais federais que gira em torno do ex-juiz e hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro, ficou até mais indignada que o próprio com o fato de ele ter sido desautorizado publicamente pelo presidente Jair Bolsonaro.

Como se sabe, o presidente da República determinou o afastamento da cientista política Ilona Szabó do cargo de suplente no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. O  ministro a havia convidado.

Guindado à pasta da Justiça como um superministro intocável do novo governo, Moro viu sua autoridade jogada por terra. A chamada República de Curitiba, que o cerca, passou a temer pelos movimentos futuros do presidente depois que conseguiu enfraquecer a figura pública do ex-juiz da Lava Jato.

Mas o ministro mandou um recado pedindo calma aos mais exaltados. Disse considerar o desgaste momentâneo. E, principalmente, que ele e seu grupo têm cartas nas mangas que, cedo ou tarde, colocarão o Planalto contra a parede: as investigações contra ministros e outros integrantes do governo.

O primeiro da lista é o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, acusado de comandar o laranjal de candidatas sem voto do PSL em Minas Gerais. Elas teriam sido registradas apenas para lavar o caixa 2 da campanha eleitoral.

 Se o mesmo modus operandi for confirmado em outros estados, essas investigações têm potencial para levar o a campanha eleitoral do partido do presidente da República ao completo descrédito.

Sem contar o caso de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), o filho senador do presidente que é suspeito de abrigar familiares de milicianos em seu gabinete quando deputado estadual. E de envolvimento num esquema de desvio de salários dos servidores da Assembleia operado pelo seu assessor de confiança, Fabrício Queiroz.

A irritação do grupo de Moro não tem a ver apenas com a vergonha pelo fato de o chefe ter sido desautorizado publicamente. Tem uma motivaçãopolítica, de poder. O grupo de Moro sonha com a candidatura do chefe à sucessão de Jair Bolsonaro

O enfraquecimento da imagem pública do "juiz da Lava Jato" prejudica os planos eleitorais do grupo.

Por outro lado, Moro sabe que boa parte dos seus possíveis cabos eleitorais está entre os que puxaram votos para Bolsonaro em 2018. Então um rompimento não vale a pena. Daí porque resolveu tratar a crise Szabó com calma e sangue frio.

Como diria o conselheiro Acácio, as consequências vêm depois.

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.