PUBLICIDADE
Topo

Para frear Moro, bolsonaristas colocam o bloco da reeleição na rua

Tales Faria

07/03/2019 10h16

Os aliados de Jair Bolsonaro já começam a se mover para convencê-lo a desistir de derrubar a reeleição.

Durante a campanha eleitoral de 2018, Bolsonaro havia dito que defenderia a aprovação pelo Congresso de uma emenda constitucional acabando com a possibilidade de reeleição de chefes do Executivo.

Seus auxiliares mais próximos acham que o presidente só deve tratar do assunto num segundo mandato. Depois que for reeleito!

A possibilidade de reeleição de Bolsonaro é colocada como estratégica para evitar a divisão do seu campo político.

E por que isso? Porque os bolsonaristas estão convencidos de que a turma da Lava Jato já prepara a campanha presidencial do juiz que comandou as investigações pela 13ª Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça.

A chamada "República de Curitiba" já recebeu há algumas semanas cerca de R$ 2,5 bilhões (equivalentes a US$ 682,6 milhões) da Petrobras por força de um acordo assinado por autoridades financeiras dos EUA, pela Petrobras e pelos procuradores Deltan Martinazzo Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná, Antonio Carlos Welter, Isabel Cristina Groba Vieira, Januário Paludo, Orlando Martello Junior, Diogo Castor de Mattos, Roberson Henrique Pozzobon, Júlio Carlos Motta Noronha, Jerusa Burmann Viecili, Paulo Roberto Galvão, Athayde Ribeiro Costa e Laura Tessler.

O dinheiro equivale a 80% das penalidades definidas no acordo da Petrobras com autoridades dos EUA, e isenta a estatal de pagá-las naquele país. Ficará sob a gerência do Ministério Público Federal e do MP do Paraná, que decidirão como aplicá-lo em "investimento social em projetos, iniciativas e desenvolvimento institucional de entidades e redes de entidades idôneas".

A tal fundação irá, segundo afirma, cuidar da:

– Promoção da cidadania;

– Formação de lideranças;

– Aperfeiçoamento das práticas políticas;

– Promover a conscientização da população brasileira.

Não tem cheiro de campanha eleitoral? E com muita grana…

Os bolsonaristas temem que a antecipação da campanha pró-Moro, comandada pelo procurador Deltan Dallagnol, possa afastar a turma de Curitiba do governo.

Consideram que, de maneira explícita ou disfarçada, tiveram o apoio da equipe da Lava Jato na eleição presidencial.  E acham que só com a possibilidade de reeleição de Bolsonaro o grupo não se divide.

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.