Topo
Tales Faria

Tales Faria

Paulo Guedes e militares alertam Bolsonaro dos riscos para o governo

Tales Faria

2025-03-20T19:10:02

25/03/2019 10h02

O presidente Jair Bolsonaro tem encontro marcado hoje com seu alto comando no Planalto: os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Augusto Heleno (GSI), Santos Cruz (Secretaria de Governo) e Paulo Guedes (Economia)

Ouvirá do ministro Onyx uma avaliação das dificuldades para a aprovação da reforma da Previdência no Congresso e das resistências, principalmente entre os aliados do presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Mas Paulo Guedes, segundo seus assessores, pretende insistir com o presidente que aprovação da reforma da Previdência não é uma bobagem inventada pelos economistas. Segundo Guedes, dela depende o futuro do governo. E não haverá reforma sem aprovação do Congresso.

Será, na prática, um recado (e uma reafirmação) de que ele próprio, Paulo Guedes, não teria mais como permanecer no governo se a reforma não andar. Mas que ele está disposto a pacificar os ânimos entre Maia e o Planalto. Cabe a Bolsonaro ajudar a pôr um fim na encrenca.

Leia também:

Já Santos Cruz e o general Heleno trarão o recado dos militares: não é aceitável que alguém como Olavo de Carvalho xingue publicamente não só o general vice-presidente, mas toda a categoria. Esse clima também não ajuda à reforma. E não cabe ao governo, em meio a esses xingamentos, prestigiar o guru dos filhos do presidente.

Santos Cruz mostrou publicamente seu descontentamento na entrevista publicada hoje pela Folha, em que chamou Olavo de Carvalho de desequilibrado. Anote-se: o general é um amigo antigo de Bolsonaro. Há quase quarenta anos. É das poucas pessoas no governo capazes de repreender o presidente nas conversas pessoais.

Da mesma forma, Augusto Heleno é apontado como "um mestre" pelo presidente da República. Mas é outro que anda irritado com os desacertos dentro do governo.

Os militares também estão preocupados com as articulações da reforma da Previdência. Temem que o projeto de reestruturação da carreira seja usado como boi de piranha: lançado ao Congresso para os parlamentares derrubarem em troca da aprovação da reforma da Previdência.

Ninguém, no entanto, espera que Paulo Guedes e os generais coloquem mais lenha na fogueira por agora. A hora é de aguardar pelos movimentos do presidente. Ver se Bolsonaro está disposto a reorientar sua atuação e a dos filhos.

Por enquanto, a aposta de economistas e militares no governo é de que os fatos e o mundo real se imporão sobre tuítes e o mundo virtual do bolsonarismo radical.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.