PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

Bolsonaro ensaia rendição ao Centrão e deixa Rodrigo Maia otimista

Tales Faria

02/04/2019 10h28

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, mudou o discurso. Do pessimismo das últimas semanas, quando até colocou em dúvida o interesse do presidente Jair Bolsonaro em aprovar a reforma da Previdência, agora já fala não só na aprovação pela Câmara até julho como também na votação da reforma tributária.

Motivo do otimismo? A notícia de que Bolsonaro chamou os presidentes dos partidos do Centrão para uma conversa. Os dirigentes desses partidos não gostam da classificação como bloco. Dizem que o Centrão não existe mais.

Mas é assim que são vistos no Congresso.

São nomes como os senadores Ciro Nogueira (PP-PI) e Romero Jucá (MDB-RR), o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), o ex-prefeito do São Paulo Gilberto Kassab (PSD) e o deputado Marcos Pereira (PRB).

Nenhum deles morre de amores pelo presidente. E vice-versa. Por isso não têm se encontrado. Destes, há pelo menos dois nomes de quem Bolsonaro sempre falou cobras e lagartos entre seus aliados: Ciro Nogueira e Romero Jucá.

Dizia que não queria se misturar com políticos acusados de corrupção. Simplesmente não aceitava ter que pedir votos aos dois.

Por isso só o fato de convidá-los para um encontro em busca de apoio no Congresso já é considerado pelos caciques do Centrão como uma primeira rendição do presidente à chamada "velha política". Mas este gesto só não bastará.

Será preciso que, além do encontro, Jair Bolsonaro faça movimentos concretos em direção ao grupo. Leia-se: divisão do poder para os próximos quatro anos de governo.

Caso contrário, o Centrão continuará esticando a corda. Ora mordendo, ora assoprando para arrancar nacos de poder à força.

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.