Topo
Tales Faria

Tales Faria

Para Bolsonaro, Guedes obtém deficit zero e o que vier do Congresso é lucro

Tales Faria

2020-04-20T19:18:14

20/04/2019 18h14

A estratégia do presidente Jair Bolsonaro em relação ao Centrão, ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e ao Congresso em geral será a de manter a corda esticada.

Bolsonaro toma como base uma projeção do ministro da Economia, Paulo Guedes, para concluir que não precisa tanto assim do Congresso.

Nas contas do "Posto Ipiranga" do presidente, já está garantido o cumprimento de sua promessa de campanha de zerar o deficit já no primeiro ano de governo.

Guedes conta com a devolução ao Tesouro de R$ 200 bilhões emprestados pelo governo de Dilma Rousseff a BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica. Mais R$ 80 bilhões de Privatizações e R$ 73 bilhões da cessão onerosa em barris de petróleo a receber da Petrobras.

São cerca de R$ 350 bilhões que, segundo o ministro. Garantem não só zerar o deficit nas despesas da União já em 2019, como tem reflexos para os próximos anos.

Ou seja, a economia que vier a se fazer com a reforma da Previdência ou outros projetos aprovados no Congresso, entrará nas contas como "um algo a mais".

Daí porque tanto Bolsonaro como Guedes têm dito que estão brigando pela reforma não em benefício do seu governo, mas para as gerações futuras.

Não haveria problema para o atual governo se vier bem menos do Congresso do que uma economia de R$ 1 trilhão em dez anos que a área econômica prevê no projeto de reforma da Previdência.

Usa-se o que for possível para ajudar nas contas dos quatro anos de gestão Bolsonaro e coloca-se a culpa em Rodrigo Maia, no Centrão e no Congresso por não ter saído uma solução de longo prazo.

Leia-se como "solução de longo prazo" o regime de capitalização, segundo o Planalto.

Só há um probleminha nessa estratégia: não combinaram com os russos. À medida que Centrão & Cia perceberem que não há margem de manobra com o governo, a corda também será esticada pelo lado do Congresso.

Foi isso que gerou as famosas pautas bombas durante o governo Dilma e também os primeiros petardos contra Bolsonaro –como a aprovação do Orçamento impositivo para todas as emendas parlamentares.

 

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.