Topo
Tales Faria

Tales Faria

Bolsonaro só respeitará lista tríplice se tiver “um nome nosso”

Tales Faria

04/05/2019 04h13

O presidente Jair Bolsonaro tem sido questionado por parlamentares e auxiliares sobre se respeitará a lista tríplice dos procuradores da República para escolha do sucessor de Raquel Dodge como procurador-geral da República.

Lembrado por um líder governista de que não tem se comprometido com a lista elaborada em eleição interna da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), Bolsonaro respondeu:

"Não quer dizer que vou desrespeitar a lista tríplice. Mas só vou acolher se incluírem um nome nosso. Não tem sentido colocar um inimigo."

Outra expressão que o presidente tem usado para definir o sucessor de Raquel de sua preferência é: "tem que ser meu peixe."

No linguajar informal do presidente, "meu peixe" quer dizer amigo muito próximo, companheiro, aliado.

Mas o mandatário do Planalto sabe que não há muitos nomes próximos a ele entre os procuradores com possibilidade de se candidatar e de figurar entre os três mais votados da ANPR.

Na próxima segunda-feira (6) abrem-se as inscrições para os candidatos à lista tríplice. A eleição está marcada para 18 de junho e a posse, em setembro.

A votação só não foi acolhida em sua primeira edição, em 2001. O então presidente, Fernando Henrique Cardoso, optou por manter no cargo Geraldo Brindeiro, apelidado de "Engavetador-geral da República".

A partir de 2003, no primeiro governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, todos os chefes do Ministério Público da União passaram a ser nomeados pelo presidente entre os nomes da lista. Lula e Dilma Rousseff escolheram o primeiro colocado da lista. Michel Temer nomeou Dogde, segunda colocada.

Ao UOL, o presidente da ANPR, José Robalinho Cavalcanti, afirmou que a escolha pela lista tríplice é uma forma de garantir ao procurador-geral independência em sua atuação. "Sem a lista tríplice, a Lava Jato seria uma sombra do que é", disse.

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, deverá ser ouvido pelo presidente. Mas Bolsonaro declarou publicamente que não tem compromisso nem com seu auxiliar que comandou a Operação Lava Jato como juiz.

O presidente quer estar livre para escolher até mesmo um nome do Ministério Público Militar (MPM), do Ministério Público do Trabalho (MPT) ou do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

Nesse quadro, até a atual chefe de todo o Ministério Público, Raquel Dodge, poderá ser reconduzida. Ela está desgastada entre os procuradores do Ministério Público Federal e não deverá se candidatar à lista da ANPR.

Mas, no caso de um impasse entre nomes da preferência do Planalto e do MPF, a permanência de Dodge pode ser uma solução intermediária. Seu nome conta com a simpatia dos ministros do Supremo Tribunal Federal.

Hoje, há mais de 10 nomes cotados para o cargo, entre candidatos à lista tríplice e aqueles que não se candidatarão, mas esperam ser nomeados por Bolsonaro.

Ou seja, a sucessão de Dodge está absolutamente em aberto.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.