Topo
Tales Faria

Tales Faria

No depoimento de Weintraub, Centrão tira o pé do acelerador e mostra força

Tales Faria

2016-05-20T19:04:00

16/05/2019 04h00

O depoimento do ministro da Educação, Abraham Weintraub, no plenário da Câmara, nesta quarta-feira, não foi o massacre esperado pelos deputados da oposição e temido pelos governistas. Mesmo num dia ruim para o governo, com as manifestações de rua contra os cortes na Educação tendo reunido mais gente do que os políticos previam.

Oposição e governo coincidem na explicação para o ministro não ter apanhado tanto:

"Estou feliz, o Centrão tirou o pé", disse ao blog o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

"É o jogo do Centrão: mostrou força ajudando na convocação do ministro e, depois, poupando-o durante o depoimento", argumentou o líder do PT, Paulo Pimenta (RS).

De fato, os líderes dos partidos chamados de Centrão do Congresso (PP, DEM, MDB, PR, PRB, PSD e SD, entre outros) evitaram o protagonismo durante o depoimento.

Na ausência de Rodrigo Maia (DEM-RJ), o vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (PRB-SP), conduziu a sessão com mão de ferro. Limitou o tempo e as inscrições para fazer perguntas ao ministro aos termos estritos do acordo fechado na reunião de líderes. Esta, como sempre, comandada pelo Centrão.

O líder do PP, Arthur Lira (AL), que foi decisivo na convocação, não se manifestou no microfone do plenário.

Outro que foi decisivo na convocação, o líder do DEM, Elmar Nascimento (BA), falou. Mas fez um discurso moderado.

Disse ao ministro que ele terá o apoio do partido naqueles projetos, "sem ideologias de esquerda ou de direita", que derem continuidade à política do ex-ministro da Educação Mendonça Filho (DEM).

"Os líderes dos partidos de centro não atacaram em nenhum momento", festejou a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (SP).

Ao blog, Eduardo Bolsonaro pondera:

"Não interpreto a atitude do Centrão como um toma-lá-dá-cá. Acho que é apenas uma demonstração de força na busca por maior espaço no jogo político. É natural."

Artur Lira explica sua atuação:

"Nós não somos oposição, nem governo. Ajudamos na convocação porque achamos que era importante, mas não tínhamos que fazer proselitismo. Se alguém tinha que apertar o ministro era a oposição."

Vice-líder da Minoria, Pompeo de Mattos (PDT-RS) afirma: "O Centrão está onde sempre esteve. Pronto para tomar dos governos o que quiser. Nas gestões do PT, tinha uma aliança explícita e, portanto, não precisava fazer pressão pública. Agora com o Bolsonaro, enquanto não integrarem o governo, ficarão nesse estica e puxa."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.