Topo
Tales Faria

Tales Faria

Manifestações pró-Bolsonaro não melhoram relação do Congresso com governo

Tales Faria

2026-05-20T19:14:20

26/05/2019 14h20

 

Para os oposicionistas, as manifestações em apoio ao governo de Jair Bolsonaro foram bem menores do que os protestos do último dia 15 contra os cortes na Educação.

"Se fosse uma partida de futebol, daria 7 a 1 contra o governo", disse ao blog senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Mas para os governistas o placar foi o contrário.

"Muito maiores e mais espontâneas em todo o Brasil. Vão acordar a população que estará mais atenta a como votam seus deputados e senadores. O povo vai bater duro mesmo", disse também ao blog o líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP).

Em Brasília, a Polícia Militar contou 10 mil participantes hoje, contra 15 mil no dia 15. Em Copacabana, no Rio de Janeiro, as imagens de TV mostraram aparentemente menos gente do que os protestos na área de Educação. Na Avenida Paulista, a manifestação ocupou várias quadras, mas o público estava espalhado.

O que ficou claro é que não serviram para melhorar a relação entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso.

O presidente da República perdeu mais um pouco da confiança dos parlamentares em suas palavras.

Primeiro ajudou a convocar as manifestações, depois disse que tinham "pauta de Maduro", em alusão às manifestações pró-governo convocadas pelo venezuelano Nicolás Maduro. Hoje, voltou falar a favor das manifestações.

"Isto tudo leva o governo para um gueto, porque o presidente claramente apoiou manifestações de caráter autoritário. Seu foco foi contra a democracia, contra as instituições do Estado democrático e de direito. É um chavismo de direita sem apoio popular", avalia Randolfe.

O blog perguntou se essas manifestações ajudarão a aprovar medidas pró-governo no Congresso. Reservadamente ou às claras, os líderes deixaram claro que suas posições serão mantidas.

Enquanto o governista Major Olímpio acha que a pressão surtirá efeito a favor do governo sobre o Parlamento, dois dos principais articuladores do grupo que é chamado de "Centrão do Congresso" disseram:

"Não mudarão em nada meu posicionamento" (Elmar Nascimento, DEM-BA);

"Minhas posições sempre foram claras e antagônicas ao que estão protestando. Nunca pedimos nada nem estamos pedindo e ainda lá atrás assinamos um manifesto de 14 partidos a favor da Previdência, lógico retirando os rurais e o BPC" (Arthur Lira, PP-AL).

Na oposição:

"Continuamos achando que o Congresso tem que modificar a MP 870, da reforma administrativa. E, como antes, vou votar para o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) ficar no Ministério da Justiça e o projeto voltar para votação na Câmara" (Randolfe Rodrigues, líder da oposição no Senado).

Enfim, tudo como dantes. Ou pior para o governo…

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.