Topo
Tales Faria

Tales Faria

Rede abandona Moro e líder diz: "Ministro cometeu crime tal qual corrupção"

Tales Faria

12/06/2019 04h00

A Rede foi o partido de oposição que mais lutou para tentar manter o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) subordinado ao Ministério da Justiça. Foi derrotada no Congresso.

Mas as gravações das conversas do então juiz Sérgio Moro com a força-tarefa da Lava Jato, reveladas pelo site "The Intercept Brasil", fizeram um dos partidos que mais o defendia abandonar o ministro.

O líder da Rede no Senado disse ao blog que detectou nas gravações um "cometimento de injustiça" proposital, e que isto, por parte de um magistrado, "é um crime de igual teor quanto a corrupção".

Para o senador, Sérgio Moro perdeu as condições de permanecer à frente da pasta da Justiça "e é praticamente impossível que venha a ser ministro do Supremo Tribunal Federal". Diz o líder: "Aqui no Senado, tenho certeza de que ele não teria os 41 votos necessários" para confirmar uma nomeação.

O erro original do ex-juiz foi "atravessar o rubicão", quando trocou a magistratura pelo governo.

"Ele preferiu servir a governos. Resolveu promover a sua carreira, tentando ser no futuro, talvez, ministro do STF ou presidente da República", explica.

Na análise das gravações, o senador anotou dois pecados do então juiz: Moro atuando como aliado de uma das partes, o Ministério Público; e uma "atuação no pleito eleitoral, em seguida assumindo uma vaga no governo que se sagrou vitorioso".

Para o senador, não dá agora para jogar a banheira fora com o bebê dentro: "Não posso dizer que o [ex-presidente da Câmara] Eduardo Cunha [que está preso] é inocente. Não posso esquecer que assisti aquela sala cheia de dinheiro do [ex-deputado e ex-ministro] Geddel Vieira Lima. Têm ações e operações da Lava Jato que precisam ter sequência", disse.

Mas, segundo Randolfe Rodrigues, "agora tem que separar o joio do trigo", pois algumas ações da Lava Jato, a partir do que se notou nas gravações do Intercept Brasil, estão comprometidas. "Aquela em relação ao ex-presidente Lula é uma delas", diz.

O líder da Rede avalia que o presidente Jair Bolsonaro já rifou Moro há muito tempo: "Rifou quando o governo deixou o Coaf ir para o Ministério da Economia e agora o ministro está se tornando um peso para o governo de Jair Bolsonaro, tanto é que o presidente tem evitado se solidarizar."

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.