Topo

“A prioridade é manter o mandato do presidente paraguaio”, disse Bolsonaro

Tales Faria

02/08/2019 11h46

Foi com um argumento político que o presidente Jair Bolsonaro derrubou recomendação do corpo técnico da Eletrobras de não anular a ata sobre compra de energia da usina de Itaipu assinada em maio por representantes dos dois países.

O Ministério das Relações Exteriores informou ao comando de Itaipu e à Eletrobras que a posição expressa por Bolsonaro foi a seguinte: "A nossa prioridade, neste momento, é manter o mandato do presidente paraguaio".

Assim, Carlos Alberto Simas Magalhães, embaixador do Brasil no Paraguai, assinou ontem (1º de agosto) em Assunção um documento em que o Brasil acata a decisão paraguaia de anular a ata pela qual o país vizinho passaria a pagar mais caro por energia da usina. Será feita uma nova negociação do preço.

A revelação na semana passada dos termos da ata assinada em maio provocou uma crise no governo do Paraguai. A oposição chegou a obter apoio de políticos governistas para o impeachment do presidente Mario Abdo Benitez.

No país vizinho, processos de impeachment são resolvidos em cerca de três dias. Com a anulação da ata, os governistas que se juntaram à oposição voltaram atrás.

Benitez é um paraquedista militar que se tornou presidente com uma campanha de cunho conservador. Ele e o presidente Bolsonaro se tratam como amigos e aliados.

A ata de maio geraria, segundo a oposição, um custo adicional de US$ 350 milhões (R$ 1,3 bilhão) pela energia vendida por Itaipu à Administração Nacional de Eletricidade (Ande) paraguaia.

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.