Topo
Tales Faria

Tales Faria

Augusto Aras tem mais chances no Senado do que Eduardo Bolsonaro

Tales Faria

09/09/2019 16h16

Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para comandar a Procuradoria Geral da República, o sub-procurador-geral Augusto Aras tem mais chances de ter seu nome aprovado pelos senadores do que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, tem de ser aprovado como embaixador do Brasil em Washington.

Enquanto Eduardo Bolsonaro sofre grandes e explícitas resistências da oposição –e até de alguns governistas–, Aras conta com razoável boa vontade entre os líderes oposicionistas.

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), por exemplo, é um crítico feroz da indicação de Eduardo Bolsonaro. O mínimo que diz é que a nomeação será "péssima para o país". Quanto a Augusto Aras, o discurso é mais moderado:

"Não o conheço ainda. Embora não tenha gostado de algumas declarações recentes, pretendo ouvi-lo sem preconceitos durante a sabatina [na Comissão de Constituião e Justiça] para firmar uma posição".

Cacique do PDT, o senador e ex-governador do Ceará Cid Gomes, irmão do candidato pedetista à Presidência em 2018, Ciro Gomes, disse ao blog:

"Tenho visto que a escolha desagrada ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, e ao Ministério Público. Mas como tenho poucas informações sobre o escolhido, vou procurar conhecê-lo melhor. Aguardarei a sabatina para definir meu voto."

Entre os oposicionistas do Senado, quem está igualmente resistente a Eduardo Bolsonaro e a Augusto Aras, aparentemente, é apenas Randolfe Rorigues (Rede-AP).

"Trata se de uma ofensa à autonomia e independência do Ministério Público Federal. Espero que o Senado esteja à altura da nação, rejeitando essa indicação que atende a interesses pessoais e não republicanos", afirma.

Mas esta posição não é compartilhada, por exemplo, pelos senadores Ângelo Coronel e Otto Alencar, ambos do PSD da Bahia e aliados do governador petista Rui Costa.

Na verdade os baianos estão felizes com a indicação de um conterrâneo. Inclusive o senador e ex-governador Jaques Wagner (PT), tido como amigo pessoal de Aras.

Eduardo Bolsonaro, por sua vez, nem sequer teve ainda sua indicação oficializada pelo pai.  Jair Bolsonaro tem dito que só o fará quando tiver certeza da vitória do filho. Não pretende expô-lo ao constrangimento da derrota.

Na Comissão de Relações Exteriores, onde será sabatinado, Eduardo Bolsonaro ainda precisa conquistar o voto de três dos quatro últimos indecisos do colegiado para ter sugerida ao plenário a sua aprovação.

No plenário, a situação é mais incerta. Randolfe Rodrigues diz que a oposição já tem assegurados 41 votos dos 81 senadores, maioria absoluta para impedir a nomeação. Os articuladores do governo dizem que não é verdade, mas também não garantem que já detêm maioria.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.