Topo

Pré-candidato, Luciano Huck diz a aliados estar disposto a deixar a Globo

Tales Faria

26/09/2019 09h00

O apresentador de TV Luciano Huck reuniu-se na segunda-feira da semana passada com um time peso-pesado do PSDB, do DEM e do Cidadania para comunicar sua disposição em concorrer à Presidência da República em 2022.

Perguntado se não temia novo veto da Globo à sua candidatura, Huck respondeu que não.

Segundo ele, muito provavelmente a Globo será contra sua permanência nos quadros da emissora assim que anunciar a candidatura. Mas ele disse estar disposto, desta vez, a "enfrentar o desafio".

O encontro ocorreu durante um jantar em sua casa do Rio de Janeiro. O blog levantou que estavam presentes: o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o economista Armínio Fraga, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto, os ex-ministros Mendonça Filho e Raul Jungmann, o presidente do Cidadania, Roberto Freire, o líder do partido na Câmara, Daniel Coelho (PE), e o empresário Leandro Machado, do movimento Agora!.

Todos os presentes se dizem simpáticos à candidatura. Mas a opinião generalizada, inclusive do possível candidato, é de que é muito cedo para qualquer anúncio.

Há uma primeira barreira a ser ultrapassada: as eleições municipais de 2020.

Primeiro, porque darão um sinal da força de movimentos de renovação política nos quais Huck se engajou, como o Agora! E o RenovaBR. A expectativa do apresentador é de que elejam até uns 4 mil vereadores que dariam alguma capilaridade à eventual campanha presidencial de 2022.

Depois, porque a aliança também depende do desempenho dos partidos envolvidos. Isso será importante para definir inclusive a sua filiação como candidato, hoje mais próxima do Cidadania.

Há ainda que avaliar, em 2020, o desempenho de outros pré-candidatos. O principal deles é o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Hoje, Doria tem se colocado como o principal adversário de Jair Bolsonaro pelo centro, mesma faixa em que Huck pretende se colocar

Se Doria demonstrar força nas eleições municipais, a velha guarda do tucanato, que não vê o governador com bons olhos, terá dificuldades de impor uma aliança em torno da candidatura Huck.

Por fim, não vale apressar a ruptura com a Globo, que afinal é de onde sai a grande visibilidade do apresentador.

Na verdade, essa "ruptura", acreditam os presentes, seria apenas formal. Do jeito que o atual presidente da República tem declarado guerra à emissora, a Globo bem que torceria por um nome capaz de derrotá-lo em 2022.

Em 2018, quando Huck aventou sair candidato, a Globo deixou claro que ele não só teria que se desligar da emissora como também não voltaria aos seus quadros, caso fosse derrotado.

Desta vez, a expectativa é de que as portas não estariam fechadas para um eventual retorno.

O fato é que os presentes ao jantar saíram seguros de que, desta vez, as chances de candidatura do apresentador são maiores, assim como sua disposição de não desistir.

Sua mulher Angélica, a também apresentadora de programas da TV Globo, era tida como um empecilho. Desta vez não deu essa impressão. Não chegou a participar das discussões. Mas passou pela reunião, cumprimentou a todos e mostrou-se bastante simpática.

Empolgado, Huck tem viajado pelo Brasil em busca de apoios. Ainda na semana passada, depois do encontro do Rio, foi almoçar em São Paulo com a cúpula do DEM, incluindo o vice-governador, Rodrigo Garcia. Só para reforçar.

Às 12h30 a Globo enviou nota ao blog em que afirma não ter vetado a candidatura do apresentador em 2018, mas reafirmando que, se ele se dedicar à políca partidária, não voltará à emissora. Leia aqui.

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.