Topo
Tales Faria

Tales Faria

Recusa dos EUA ao Brasil, gafes e PSL ameaçam Eduardo Bolsonaro no Senado

Tales Faria

14/10/2019 17h39

Diminuíram bastante as chances de o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ser confirmado pelo Senado como embaixador nos EUA, caso seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, o indique oficialmente para o cargo.

"Situação já estava difícil. Agora, mais ainda" disse ao blog a presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Simone Tebet (MDB-MS).

Foi essa a resposta da senadora a uma pergunta do blog sobre como a recusa dos EUA em apoiar a indicação do Brasil para integrar a OCDE (Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico) influi na aprovação pelo Senado do nome de Eduardo Bolsonaro para a Embaixada.

Simone Tebet argumenta que, a princípio, uma coisa não influiria na outra, mas os demais problemas em que o deputado se envolveu acabam por prejudicar a defesa da indicação.

Um desses problemas é apontado pelo líder do partido de Bolsonaro no Senado, Major Olímpio (SP). Ele próprio está rompido com o deputado em meio a uma disputa pela gestão da sigla em São Paulo.

Ao blog, Major Olímpio fez o seguinte diagnóstico:

"A situação dele está muito pior. Se o presidente indicar, o que acho desgastante e temerário, eu votarei a favor, porque continuo defendendo o governo.  Mas a briga interna no partido só fragiliza a indicação do Eduardo. Não sei se o presidente ainda vai se arriscar a indicá-lo."

Eduardo Bolsonaro teve sua área de atrito ampliada depois que o pai resolveu brigar publicamente com o presidente da sigla, deputado Luciano Bivar (PE).

A família rachou o partido ao meio com uma troca de xingamentos e insinuações de uso irregular das verbas partidárias.

Pesam também gafes cometidas pelo próprio Eduardo Bolsonaro, cujas últimas atitudes também complicam a indicação.

"O Eduardo mostrou que lhe falta certa compostura para ocupar o cargo. Foi uma vergonha aquela foto na ONU simulando usar uma arma ao lado de um monumento contra a violência, assim como usar camiseta para ridicularizar o movimento LGBT" aponta o líder do PT, senador Humberto Costa (PE).

"Tudo isso prejudica e muito", diz o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Randolfee aponta o caso da OCDE como um agravante de peso, por mostrar que a relação pessoal da família Bolsonaro com Donald Trump não garante apoio dos EUA ao Brasil em pontos decisivos:

"Esta ligação familiar era o principal argumento que usavam para sustentar a indicação. Agora o argumento caiu por terra."

O líder do DEM, senador Rodrigo Pacheco (MG), é um pouco mais moderado. Mas argumenta que o caso da OCDE mostra que falta uma política externa consistente ao Brasil.

"Considero que são coisas independentes. Mas o tema OCDE reforça a necessidade de uma política diplomática consistente e intensa."

Em tempo. Mesmo sem ser embaixador, Eduardo Bolsonaro é um dos principais formuladores da política externa de seu pai. Foi ele quem indicou o ministro Ernesto Araújo para o cargo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, “Todos os Sócios do Presidente”, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Sobre o blog

Os bastidores da política pela ótica de quem interessa: o cidadão que paga impostos e não quer ser manipulado pelos poderosos. Investigações e análises com fatos concretos, independência e sem preconceitos.